As rádios emitem em várias frequências. Estes episódios, contudo, situam-se numa frequência diferente, não uma de rádio, mas de radio. Como em Radioterapia. Episódios de um tratamento oncológico (à suivre)
Segunda-feira, 23 de Julho de 2012

Não, não fui de férias, o cancro não me deixa. Não tenho escrito porque as coisas se têm sucedido a uma velocidade estonteante, e tem sido muito difícil para mim acompanhar tudo o que se está a passar. As más noticias chegam umas atrás das outras. Tenho sarna para me coçar até à China. (Depois conto com pormenores)

 

Hoje sinto-me frustrada, cansada, farta, fartinha. 

 

Acabaram de me lixar porque decidi ser honesta e contar a verdade. Quem disse que a verdade liberta não sabia do que estava a falar. 

 

Fecham-se portas, e sinto-me confinada a um espaço que não admito, e forçada a seguir por um caminho que não queria e no qual não acredito. Vêm-me à memoria os versos do poema do Régio, "Cântico Negro":

 

"Vem por aqui" - dizem-me alguns com os olhos doces
Estendendo-me os braços, e seguros
De que seria bom que eu os ouvisse
Quando me dizem: "vem por aqui!"
Eu olho-os com olhos lassos,
(Há, nos olhos meus, ironias e cansaços)
E cruzo os braços,
E nunca vou por ali...

A minha glória é esta:
Criar desumanidade!
Não acompanhar ninguém.
- Que eu vivo com o mesmo sem-vontade
Com que rasguei o ventre a minha mãe

Não, não vou por aí! Só vou por onde
Me levam meus próprios passos...

Se ao que busco saber nenhum de vós responde
Por que me repetis: "vem por aqui!"?

Prefiro escorregar nos becos lamacentos,
Redemoinhar aos ventos,
Como farrapos, arrastar os pés sangrentos,
A ir por aí...

Se vim ao mundo, foi
Só para desflorar florestas virgens,
E desenhar meus próprios pés na areia inexplorada!
O mais que faço não vale nada.

Como, pois sereis vós
Que me dareis impulsos, ferramentas e coragem
Para eu derrubar os meus obstáculos?...
Corre, nas vossas veias, sangue velho dos avós,
E vós amais o que é fácil!
Eu amo o Longe e a Miragem,
Amo os abismos, as torrentes, os desertos...

Ide! Tendes estradas,
Tendes jardins, tendes canteiros,
Tendes pátria, tendes tectos,
E tendes regras, e tratados, e filósofos, e sábios...
Eu tenho a minha Loucura !
Levanto-a, como um facho, a arder na noite escura,
E sinto espuma, e sangue, e cânticos nos lábios...

Deus e o Diabo é que guiam, mais ninguém.
Todos tiveram pai, todos tiveram mãe;
Mas eu, que nunca principio nem acabo,
Nasci do amor que há entre Deus e o Diabo.

Ah, que ninguém me dê piedosas intenções!
Ninguém me peça definições!
Ninguém me diga: "vem por aqui"!
A minha vida é um vendaval que se soltou.
É uma onda que se alevantou.
É um átomo a mais que se animou...
Não sei por onde vou,
Não sei para onde vou
- Sei que não vou por aí!

Não queria ir por ali/aqui, mas cada vez tenho menos escolhas. Vivo num funil neste momento.

publicado por Silvina às 14:40

Aguenta o barco, bela Silvine, que o teu efeito calmante não tarda nada está aí e vai relativizar tudo, tudo para ti. Estou aqui a tentar acelerar o tempo.

Queria dar-te colo, um colo do tamanho dum elétrico.
Gosto mesmo de ti, moça.
E torço como nunca torci para que apareça uma alternativa X que ainda não tenha estado na mesa.
Melissa a 23 de Julho de 2012 às 15:40

Merci Melisse chérie :) Acho que os dados estão lançados, vamos ver o que ai vem...

(*Saudades do meu efeito calmante que só chega daqui a 2 semanas eheh*)

Um beijinho*
Silvina a 24 de Julho de 2012 às 19:18

Aqui vai um abraço cheio de força e energia, para ajudar a que possas, pelo menos, alargar esse funil. Bejo grande.
Zu a 23 de Julho de 2012 às 15:51

Claro que o "bejo" é "beijo" :-)
Zu a 23 de Julho de 2012 às 15:53

Obrigada Zu, hoje já desafunilei um bocadinho... ;)

Um beijinho*
Silvina a 24 de Julho de 2012 às 19:19

O mundo pode parecer estar a desabar e só queres render-te às evidências.
Mas tu já conseguiste lutar até aqui, vais ser capaz de enfrentar tudo isso mais um pouco!
É uma batalha sem fim, mas venceste-a até agora, continuarás a vencer!


Pode parecer que dizer a verdade foi o pior caminho, mais à frente pode ser que percebas que foi mesmo o melhor :)

Muita força!! Muita força!
Se te fores abaixo por um bocado também é perfeitamente aceitável. às vezes é preciso, para recuperar o norte!
Naná a 23 de Julho de 2012 às 15:57

Obrigada pela perspectiva Nanà :)

Um abraço*
Silvina a 24 de Julho de 2012 às 19:20

Muita coragem, Silvina, muita muita!
Ana a 23 de Julho de 2012 às 16:25

Obrigada Ana,

Bisou*
Silvina a 24 de Julho de 2012 às 19:20

Já te tinha dito para não andares com minhoquices na cabeça, porra! <3 <3 <3
Idalina a 23 de Julho de 2012 às 16:48

Não é bem minhoquices que tenho na cabeça... ;)
(ahah, piadinha de cancro!)
Silvina a 24 de Julho de 2012 às 19:21

hahahah oh pá :)
Melissa a 25 de Julho de 2012 às 11:53

Só vi isto agora!
Mas: primeiras!! As minhoquices ERAM a piadinha do cancro eheheh
Idalina a 9 de Agosto de 2012 às 22:11

Força! Muita Muita força!
Beijinhos
Marisa a 23 de Julho de 2012 às 17:15

Obrigada Marisa,
um beijinho*
Silvina a 24 de Julho de 2012 às 19:21

Receba um abraço apertado e uma palavra de ânimo, já que não tenho poderes para mais. Coragem.

Um beijinho
helena a 23 de Julho de 2012 às 17:27

Tudo ajuda Helena, obrigada :)

Um beijinho*
Silvina a 24 de Julho de 2012 às 19:22

Muita força e muita coragem. Neste momento precisas de estar concentrada em ti e não nos outros ou no que eles possam pensar.
Continuo a torcer e a enviar-te toda a energia positiva!
um beijo grande
badmary a 23 de Julho de 2012 às 17:55

tocaste num ponto importante badmary...
Um beijinho*
Silvina a 24 de Julho de 2012 às 19:22

Faço muita força para que consigas fazer uns furos no funil e que pelo menos este se transforme num passador.
Faz parte e é legitimo o cansaço, o desanimo, a frustração. Respira fundo e reabastece-te de força la bem no fundinho de ti, onde ela nasce. Ela está lá.
Não desistas!Não desistas.
Abraço forte
SB a 23 de Julho de 2012 às 18:07

Ela está là, mas cada vez mais no fundo. Tenho que aprimorar (ainda mais) esta capacidade de resiliência... ;)

Um grande beijinho*
Silvina a 24 de Julho de 2012 às 19:23

amanhã é outro dia... calma, "só acaba a vindima na lavagem dos cestos", diz o nosso povo e com razão... às vezes tudo corre mal e parece que estamos a ir na direção errada mas depois as coisas melhoram...
vamos acreditar.
não baixes os braços.
hoje desanima um pouco, amanhã ruge como uma leoa, assim como já nos habituaste...
beijinho grande.
Monóloga a 23 de Julho de 2012 às 21:38

Hoje já rugi mais um bocadinho, de bicicleta... ;)

Um grande beijinho*
Silvina a 24 de Julho de 2012 às 19:24

linda leoa! :D
beijinho
Monóloga a 24 de Julho de 2012 às 19:30



mais sobre mim
pesquisar
 
Translation(s)
Últ. comentários
Desculpe mas percebeu mal: Tout va bien como uma e...
ainda bem que as coisas se resolveram e ela agora ...
Ja não. Tout va bien.
Ela ainda está em tratamento?
Faz por estes dias um ano que recebi um postal de ...
Tens-me feito tanta falta...beijinhos, muitos muit...
Radio Alertas




Partilhe a sua historia
Radio friendly Pub'


Kiva - loans that change lives

Estúdio Tatuagem Blood Oath Tattoos

Todas as palavras de Amor

Bau da Aurora artesanato

Mimos de Crochet


Creative Commons Licence