As rádios emitem em várias frequências. Estes episódios, contudo, situam-se numa frequência diferente, não uma de rádio, mas de radio. Como em Radioterapia. Episódios de um tratamento oncológico (à suivre)
Terça-feira, 25 de Janeiro de 2011

Nós Vencedores by coconafralda

 

A vencedora de hoje: Inês Queiroz, 34 anos.

 

Visto no blogcocó na fralda

publicado por Silvina às 17:39

Sábado, 15 de Janeiro de 2011

- Em vez dos recomendados 2min a lavar os dentes demoro só 1min30s

&

- Poupo na quantidade de pasta de dentes a utilizar

publicado por Silvina às 16:22

Sexta-feira, 14 de Janeiro de 2011

56kg. Este tópico deixou de ser top-secret. Já não tinha este peso desde os meus 16 anos. Desde 2008 que tentava perder peso, tentei dietas, acupunctura, Pedro Choy, sopas, muita água, saladas, e nada funcionou. Ando há dois anos a comer para não engordar. E de repente, perco peso sem dar por ela e tenho de fazer tudo ao contrário e fazer de tudo para não emagrecer. O mundo está todo do avesso.

E a ironia é que agora posso (supostamente) comer todos os doces e porcarias que quiser, mas ainda tenho a boca à banda e desdentada, ando enjoada e já nem os gelados me sabem bem.

Ao menos, com este corpinho, posso ir gastar dinheiro em lingerie, como fiz hoje, e ficar toda boa do pescoço para baixo.

publicado por Silvina às 23:25


Nestes dias ando vacilando, sendo o sono pouco e o apetite nenhum. Forço-me a comer para não perder mais peso. Tive uma mini crise de pânico porque tenho medo dos efeitos secundários que se seguem, e esse medo paralisa-me e provoca-me um choro descontrolado. Estou a esgotar a minha força, a minha energia vital. Não como o suficiente, não durmo metade do que devia, e a minha energia vital esvai-se, aos poucos... Ânimo abalado, esperança diminuída. Espero que isto seja normal. Que outras pessoas que lutam contra o cancro também já se tenham sentido assim durante uns tempos, e que depois tenham sido capazes de se levantar e não baixar as armas. Eu admito, não é um dia mau, são vários. Estou a vacilar com o cansaço, com as dores, com a perspectiva do que ainda aí vem. Em suma, estou farta de sofrer. Estou farta de ver a minha vida fluir desta maneira, de sentir o meu corpo dorido e inchado todos os dias. Estou farta que a garganta arranhe, que me doa cada vez que engulo saliva. Estou farta de comer líquidos, e de andar coxa porque a ferida da perna ainda não sarou e tenho o tendão à mostra. Estou a falhar na renovação da energia, no roubar força aos outros, no optimismo perene e teimoso. Sinto-me a ir, a fraquejar, devagarinho...

publicado por Silvina às 23:02



Neil Young Harvest Moon (Video)
envoyé par ivaxavi. - Regardez plus de clips, en HD !
publicado por Silvina às 23:01

Terça-feira, 11 de Janeiro de 2011

Mac Taylor: "You're a warrior. If there was one thing I learned over the years, the spirit of a warrior can't be broken."

 

 

 

CSI NY 7x01

publicado por Silvina às 20:09


às vezes faço-me à insónia, como tu dizes. Hoje é (mais) um dia onde me recuso a dormir, não sei bem porquê. Tudo se mistura no meu cérebro lento, os neurónios não processam a info em tempo útil, e esta lerdice dá nisto: a mente que não pára de girar, entornar, cavalgar. Faço-me à insónia ou ela faz-se a mim, não sei (de quem é a culpa), como em muitas outras coisas na vida. Amanhã vou acordar e lamentar as horas que perdi -a pensar, aqui, nisto. E o dia será longo, e ao longo dele terei de me relembrar o que faço eu aqui (uma vez li um livro do Chatwin com este titulo e adorei). E isto é o que uma cabeça faz sem dormir, pensa nas merdices da vida, nas coisas que se poderiam muito bem procrastinar sem que algo de mau viesse ao mundo. "L'enfer, c'est les autres", já dizia o outro, e com isto meço a minha alteridade, viajo nas prioridades dos outros, submeto-me às escolhas dos outros, logo, devo estar no (meu) inferno existencialista. Acho que para conseguir dormir devo renegar essa alteridade, deixar a minha liberdade vagabundear por entre as outras vidas, e, por ai, (re)encontrar a minha.

publicado por Silvina às 02:00

Domingo, 09 de Janeiro de 2011

...quando a grande decisão do dia é escolher entre puré de batata e pimentos com feijão (em formato liquido claro), quando na verdade só me apetece ir ali ao McDonalds da esquina mas não posso.

publicado por Silvina às 18:46

Sábado, 08 de Janeiro de 2011

publicado por Silvina às 11:56

Quinta-feira, 06 de Janeiro de 2011

Cortei o cabelo e sinto-me gira. Importa também mencionar que já não o lavava há 10 dias, desde que a minha mãe me levou ao cabeleireiro na véspera de natal para mimos de lavagem e manicure.

 

Não posso esconder os inchaços nem as cicatrizes. Não posso disfarçar que coxeio (a muleta desmascara-me em 2 segundos), nem que tenho pele falsa e amarelada na cara (e com pêlos, embora mais curtos, porque decidi finalmente perder o medo e apará-los).

 

Mas posso cuidar de mim. Nas coisas que parecem fúteis e supérfluas, como unhas e cabelo, escondo outras façanhas, como reservar tempo para estar sozinha, para pensar, para escrever, para relaxar. Tempo precioso, a partir de agora um fim-de-semana inteiro, que me permite fazer um balanço da semana que passou, dos tratamentos, dos efeitos secundários, das partidas da vida, e preparar-me para a semana seguinte. Para que nunca mais sinta a carruagem à frente dos bois, e os acontecimentos a sucederem-se numa velocidade descontrolada, e eu perdida, a tentar ir atrás de tudo mas a ser ultrapassada pelas circunstâncias avassaladoras. Uso esse tempo para relativizar as coisas, compensar a minha tristeza, renovar energias.

 

Acho que a chave para lutar contra o cancro é renovação. Porque tudo se esgota, a paciência, a coragem, a força, a resistência, a esperança, os pensamentos positivos, o optimismo, o apoio dos outros, a nossa força vital, é realmente essencial conseguir renovar todas estas coisas de tempos a tempos. Ferramentas para fazer isto? Pois, não é muito fácil. Nem eu estou bem certa de como fazer. Algumas coisas que já percebi que ajudam: encontrar forma de conseguir algum equilíbrio e balanço no dia-a-dia e na vida em geral; Rir e sorrir muito; Fazer alguma coisa de proveitoso ou agradável durante o dia (isto pode ser um monte de coisas - ouvir uma musica especial, tomar café com um amigo, ir ao cinema, fazer compras na net, escrever uma carta ou um postal aos amigos, etc, etc); Comer bem; Não pensar em cancro a toda a hora (nem falar disso a toda a hora); Arranjar maneira de minimizar o medo, para que ele não nos paralize.

 

[Amanhã é dia de consulta semanal com o Lambard. Não fiz o trabalho de casa vulgo lista de perguntas. Shame on me.]

publicado por Silvina às 01:20


mais sobre mim
pesquisar
 
Translation(s)
Seguir a radiação
Últ. comentários
Desculpe mas percebeu mal: Tout va bien como uma e...
ainda bem que as coisas se resolveram e ela agora ...
Ja não. Tout va bien.
Ela ainda está em tratamento?
Faz por estes dias um ano que recebi um postal de ...
Tens-me feito tanta falta...beijinhos, muitos muit...
Radio Alertas




Partilhe a sua historia
Radio friendly Pub'


Kiva - loans that change lives

Estúdio Tatuagem Blood Oath Tattoos

Todas as palavras de Amor

Bau da Aurora artesanato

Mimos de Crochet


Creative Commons Licence