As rádios emitem em várias frequências. Estes episódios, contudo, situam-se numa frequência diferente, não uma de rádio, mas de radio. Como em Radioterapia. Episódios de um tratamento oncológico (à suivre)
Segunda-feira, 28 de Novembro de 2011

Hoje fui fazer um exame (scanner) para ver em que estado é que está este corpinho. Estava com medo, porque se o exame mostrasse mais algum gânglio ou nódulo teria que fazer quimio já a correr. Não foi um exame muito pormenorizado, mas à partida não está cá mais nada, só o gânglio no peito já meu conhecido em Outubro. Praise the Lord!

 

Fiz o exame no edifício onde faço radioterapia. Os técnicos disseram-me para tirar os brincos e as pulseiras (sou um bocado árvore de Natal, não é por estarmos quase em Dezembro, mas gosto de andar "enfeitada" o ano todo) e para baixar as calças porque o exame iria abranger a zona da bacia. Nesse momento pensei: "Merda!". Isto porque de manhã vesti-me à pressa, e sem pensar muito agarrei as primeiras cuecas que me vieram parar à mão... E as ditas cuecas são pretas e brancas, tipo renda, sexys como tudo. Bom... Acho que escandalizei o pessoal médico pela positiva, incluindo o Dr Lambard, que nunca antes me tinha visto naqueles preparos (apesar de eu ter sonhado com isso "n" vezes). Finalmente lá me puseram um bocado de papel a tapar as coxas e a minha lingerie indecente... Fiquei um bocado envergonhada, confesso, porque eu no fundo até sou uma gaja pudica, mas o que é certo é que o Lambard me veio apertar a mão 3 vezes, todo sorrisos, a dizer que nos víamos em breve. Espero que sim, até porque eu tenho mais cuecas sexys para lhe mostrar!

 

A outra boa surpresa estava no correio à minha espera quando cheguei a casa: postais! Tinha QUATRO postais no correio! Já disse que adoro receber postais à antiga, escritos à mão, com selos verdadeiros? Gosto muito, obrigada amigos!



 

by The Blind Film Critic

 

eheheh

publicado por Silvina às 15:04

Domingo, 27 de Novembro de 2011

Beckett: I wanna be more than who I am. But I don’t know if I know how to do that without letting my mom down.
Burke: She’s dead, Kate. You can’t let her down. The only person you can let down is yourself. Her death is a part of you, and you’re gonna have to make peace with that. Just like you’re gonna have to make peace with the scars from your shooting. But it doesn’t have to limit you.
Beckett: How am I supposed to let go?
Burke: I can help you. But the question is, are you ready?
Beckett: Yeah, I think I am.

 

(Castle 4x09 - Kill Shot)

 

 

Esta série é muito tonta a maior parte das vezes. Mas outras vezes há frases que ficam, mensagens que passam. Comme quoi não se deve julgar um livro pela capa; as aparências enganam.



 

 

Esposito: He's damaged goods.

Kate: So am I.

Esposito: That's right. And that's OK. You think it's a weakness? Make it a strength. It's a part of you, so use it.

 

Castle 4x09.

 

 

Imagem daqui.

publicado por Silvina às 13:14

Sábado, 26 de Novembro de 2011

Cientistas identificam vírus causador de cancros da glândula salivar

 

O citomegalovírus (CMV) é uma causa dos tipos de cancro da glândula salivar mais comuns, segundo estudo do Laboratório de Genética do Desenvolvimento na Faculdade de Odontologia da University of Southern California, nos EUA, avança o portal ISaúde.

Estes são os últimos resultados de uma série de estudos que, juntos, demonstram o papel do CMV como um oncovírus, um vírus que pode tanto desencadear o cancro nas células saudáveis quanto explorar as fraquezas das células mutantes para aumentar a formação de tumores. O CMV é a última adição a um grupo de menos de 10 oncovírus identificados.

O professor Michael Melnick disse que a conclusão de que o CMV é um oncovírus veio após um estudo extensivo de tumores das glândulas salivares humanas e das glândulas salivares de ratos pós-natal.

O estudo mostra que o CMV nos tumores está activo e que a quantidade de proteínas criadas pelo vírus encontrada está positivamente correlacionada com a gravidade do cancro, disse Melnick.

Os trabalhos anteriores com ratos preencheram outros critérios importantes, necessários para relacionar o CMV ao cancro.

Depois de as glândulas salivares obtidas a partir de ratinhos recém-nascidos terem sido expostas ao CMV purificado, o cancro desenvolveu-se. Além disso, os esforços para parar a progressão do cancro identificaram como o vírus estava agindo sobre as células para provocar a doença.

Como resultado, a equipa descobriu a ligação entre o CMV e o carcinoma mucoepidermoide, o tipo mais comum de cancro da glândula salivar. O estudo identificou também um caminho molecular de sinalização específico explorado pelo vírus para criar tumores.

"Normalmente, esse caminho só está activo durante o crescimento embrionário e o desenvolvimento, mas quando o CMV o transforma de volta, o crescimento resultante é um tumor maligno que apoia a produção de mais e mais vírus", disse Melnick.

O estudo explica como o trabalho colectivo claramente satisfaz todos os postulados de Koch para os vírus e o cancro, e estabeleceu um conjunto de critérios causais que deve ser demonstrado antes que um vírus realmente possa ser designado um oncovírus.

A classificação do CMV como um oncovírus tem implicações para a saúde humana. O vírus, que tem uma prevalência extremamente alta nos humanos, pode causar doenças graves e morte nos pacientes com sistema imunológico comprometido e pode causar defeitos de nascimento, se a mulher for exposta ao CMV pela primeira vez durante a gravidez. Ele também pode ser conectado a outros tipos de cancro, além do cancro da glândula salivar.

"O CMV é incrivelmente comum, a maioria de nós provavelmente o possui por causa de nossa exposição a ele. Nos pacientes saudáveis, com sistema imunológico normal, ele torna-se dormente e reside inactivo nas glândulas salivares. Ninguém sabe o que o reactiva", disse Melnick.

Jaskoll disse que o cancro da glândula salivar pode ser particularmente problemático porque muitas vezes não é diagnosticado até que atinja um estágio avançado. E quando a área afectada é perto da face, o tratamento cirúrgico pode ser extenso e muito prejudicial para a qualidade de vida do paciente.

No entanto, junto às novas informações sobre a conexão do CMV com o cancro vem a esperança para os novos métodos de prevenção e de tratamento, que talvez se pareça com o processo de desenvolvimento de medidas para mitigar o papilomavírus humano que foi realizado depois que a sua ligação com o cancro do colo do útero foi estabelecida. Jaskoll acrescentou que o modelo de glândula salivar do rato criado para conectar o CMV ao cancro também pode ser usado para desenvolver tratamentos mais eficazes.

"Isso poderia nos permitir ter um projecto mais racional para os medicamentos usados no tratamento desses tumores", disse ela.

Melnick disse que em um futuro não muito distante, ele espera obter mais informações sobre os vírus e suas conexões com cancro e outros problemas de saúde aparentemente não relacionados à infecção viral para surgir.

"Esta deve ser uma área mais frutífera de pesquisa durante um longo tempo por vir. Esta é apenas a ponta do iceberg com vírus", disse.

2011-11-21 | 11:50, no POP.
Este sim, é um artigo que me interessa e muito... Apesar de não perceber nada de proteínas, vou continuar a seguir bem de perto esta pista de investigação.

Sexta-feira, 25 de Novembro de 2011

 

Para a Ana, do Morfina (depois diz-me o que achaste).

publicado por Silvina às 14:03

Quarta-feira, 23 de Novembro de 2011

Tive alta 6 dias depois da intervenção. Ainda terei restrições de movimento e sobretudo não posso mesmo fazer esforços como aspirar, limpar a sanita de cócoras, esfregar a banheira, carregar sacos de compras, etc. Ainda não estou em mim como é que vou sobreviver sem essas minhas actividades preferidas que dizem respeito ao reino doméstico... Proibiram-me de andar de bicicleta durante 1 mês, 1 mês e meio. Nada de exercício físico, só andar a pé. Então hoje já andei 45min... Fui ver a psicóloga e o Dr Lambard, que ficou especado a olhar para mim porque me achou com muito bom aspecto para alguém acabadinho de ir à faca, e me fez muitos elogios que me souberam a mel, e às tantas levanta-se, começa a massajar-me o pescoço e diz-me com voz doce mas ao mesmo tempo firme: "Laissez-vous faire..." A minha mente viajou imediatamente para realidades porno-oníricas nunca antes exploradas...

 

Depois desse pequeno momento de tensão, lá discutimos o plano a seguir. Na próxima semana vou fazer um exame que vai determinar se faço um tratamento local (radioterapia ao gânglio) ou se passamos ao ataque com quimio pelo corpo todo. Medo. Acho que se não fosse a pseudo-massagem teria sido uma das minhas piores consultas de sempre. Assim os níveis de ansiedade estão mais ou menos controlados, e hoje ainda consigo pensar positivo e ter esperança que o exame não vai mostrar mais nada de novo.

 

[é impressionante como a minha vida se organiza em torno destes exames, e como o meu futuro se desenha em função deles]

publicado por Silvina às 21:24

Sábado, 19 de Novembro de 2011

A minha avó teve uma amiga chamada Silvina, que teve esclerose múltipla em placas, uma doença degenerativa. "Amigas destas, filha, só se tem uma vez na vida." Contou-me que se entendiam sem sequer precisarem de falar. A amizade é aquele contrato implícito que estaremos lá com o nosso amigo até ao fim, para tudo, contra tudo e contra todos, mão-na-mão. Quando a amizade é verdadeira é assim. Como a minha avó, que viu morrer a Silvina na sua cama: "E ela abriu muito os olhos, como se me quisesse dizer alguma coisa, mas já não conseguiu..." Pois é, avó. Eu sei o que é que ela ia dizer. Provavelmente "Obrigada" por teres estado sempre lá, ao longo da vida, a amparar-lhe as dores, a cozinhar e a limpar quando era preciso, a mudar fraldas à filha dela. Tudo porque "a Silvina era uma pessoa muito boa, tinha muito bom coração, era muito inteligente, mas teve muito azar na vida..." Nem sempre, avó. Ela teve a sorte de ter tido uma amiga como tu, e isso há poucas Silvinas neste mundo que o podem afirmar.

 

[Este post é dedicado a todos os meus amigos, reais e virtuais, que me têm apoiado. A todos, o meu obrigado]

publicado por Silvina às 11:43
tags:

Quinta-feira, 17 de Novembro de 2011

Que isto doi. So hoje é que me consegui levantar, estou completamente drogada de morfina (e gosto). Mais novidades em breve, que agora vou fazer fisioterapia!

publicado por Silvina às 10:47

Terça-feira, 15 de Novembro de 2011

...E quero ver se isto de postar pelo telemovel funciona. Se funcionar, e correr tudo bem na cirurgia, amanha por esta hora prometo dar noticias. À bientôt!

publicado por Silvina às 20:59


mais sobre mim
pesquisar
 
Translation(s)
Seguir a radiação
Últ. comentários
Desculpe mas percebeu mal: Tout va bien como uma e...
ainda bem que as coisas se resolveram e ela agora ...
Ja não. Tout va bien.
Ela ainda está em tratamento?
Faz por estes dias um ano que recebi um postal de ...
Tens-me feito tanta falta...beijinhos, muitos muit...
Radio Alertas




Partilhe a sua historia
Radio friendly Pub'


Kiva - loans that change lives

Estúdio Tatuagem Blood Oath Tattoos

Todas as palavras de Amor

Bau da Aurora artesanato

Mimos de Crochet


Creative Commons Licence