As rádios emitem em várias frequências. Estes episódios, contudo, situam-se numa frequência diferente, não uma de rádio, mas de radio. Como em Radioterapia. Episódios de um tratamento oncológico (à suivre)
Quarta-feira, 14 de Dezembro de 2011

Tenho mixed-feelings em relação a estes grupos de apoio, groupes de parole, como se diz aqui na França. Grupos de palavra, de discussão, que são suposto serem fóruns abertos onde doentes com cancro podem trocar experiências entre si. Em Outubro fui a uma destas sessões, organizada pela Liga contra o Cancro cá do burgo. Sai de lá com uma enxaqueca, e ainda hoje não percebi se gostei ou não. Daqui a uma hora há outra reunião e ainda não decidi se vou ou se vou antes ao cinema.

 

O meu problema é que não há dois cancros iguais. As experiências das pessoas que lá estavam, embora tocassem a minha nalguns pontos, também se afastam bastante. Se por um lado não me importo de ouvir os queixumes dos outros, às vezes também não me faz bem fazê-lo, porque interiorizo demais. Uma coisa é um queixume no momento, outra é uma profunda tristeza e um sentimento de abandono que perdura todos os dias na vida daquelas pessoas. Excepto uma mulher meio doida que aos 60 anos foi fazer trekking para o Nepal (loved it!), as outras habitavam corpos gastos pela doença, e deixaram que esse habito lhes toldasse os movimentos, lhes limitasse os dias. São mulheres quebradas, marcadas para sempre com um ferro a ferver, e ainda sentem esse sabor amargo na boca. Foi isso, acho, que me perturbou mais.

 

Não gosto de ver pessoas dadas por vencidas, pessoas vergadas pelo peso e a memoria de tanto sofrimento. Tive vontade de as pegar ao colo, uma por uma, e ao mesmo tempo sacudi-las e dar-lhes uma chapada bem dada! Tive vontade de subir para cima da mesa, pôr a musica aos berros e começar a dançar. Tive vontade de lhes mostrar que estão vivas, que por enquanto ele -o cancro- ainda não lhes ganhou! Tive vontade de lhes dar uma injecção de adrenalina e de lhes chutar para a veia a matéria de que são feitos os sonhos. Vontade tive, mas não fiz nada disso. Fiquei ali caladinha a ouvi-las, fui para casa com uma enxaqueca e sem conseguir parar de pensar naquelas vidas.

 

[Há momentos onde me sinto mesmo bem em eu ser eu, assim como sou. Porra]

publicado por Silvina às 15:40

Silvina,
Parece que esse grupo de apoio não era lá muito de apoio, mas sim de auto-comiseração de pessoas que estão/ estiveram doentes e essa doeça lhes gere a vida. Deve haver grupos mais interessantes do tipo, como manter o espirito positivo na adversidade:)
Mas se calhar não custa dar outra oportunidade e ver se esta sessão é mais interessante ou até podes dar o teu testemunho!
Beijinhos
Heidi
http.www.ilusaodoparaiso.pt
Anónimo a 14 de Dezembro de 2011 às 18:22

Olá Heidi , lá acabei por ir e realmente foi mais interessante do que da outra vez. Estava menos gente, por isso foi um bocadinho mais intimista... E fartei-me de falar, que eu não tenho vergonha nenhuma de partilhar as minhas maleitas! ;)
Um beijinho*
Silvina a 18 de Dezembro de 2011 às 13:14



mais sobre mim
pesquisar
 
Translation(s)
Últ. comentários
Desculpe mas percebeu mal: Tout va bien como uma e...
ainda bem que as coisas se resolveram e ela agora ...
Ja não. Tout va bien.
Ela ainda está em tratamento?
Faz por estes dias um ano que recebi um postal de ...
Tens-me feito tanta falta...beijinhos, muitos muit...
Radio Alertas




Partilhe a sua historia
Radio friendly Pub'


Kiva - loans that change lives

Estúdio Tatuagem Blood Oath Tattoos

Todas as palavras de Amor

Bau da Aurora artesanato

Mimos de Crochet


Creative Commons Licence