As rádios emitem em várias frequências. Estes episódios, contudo, situam-se numa frequência diferente, não uma de rádio, mas de radio. Como em Radioterapia. Episódios de um tratamento oncológico (à suivre)
Sexta-feira, 11 de Maio de 2012

Faço investigação há uns aninhos. Depois do mestrado tirado em Paris fui servir às mesas, porque estava farta de pensar e já não podia ver livros à frente. Depois do restaurante andei a passear pela Ásia, já meia decidida que afinal trabalhar "como as pessoas normais" não era assim tão divertido e quando voltei do périplo asiático fui tirar outra licenciatura no estrangeiro, numa área muito parecida àquela em que já estava antes. Finalmente lá avancei para o Doutoramento, contente de ter uma bolsa (e ganhei-a bem ganha, fiquei em 1° lugar com a pontuação máxima possível) mas afundada em dúvidas e muitaaaaa falta de auto-estima. Não sabia o que queria da vida. Não sabia se era aquele "o caminho". Gostava (e gosto) de ler artigos, de fazer associações mentais, de escrever e de me desafiar. Não gostava da parte de falar em público, das confrontações com outros investigadores em despiques de ideias, e o meu sonho de vida não era ter carreira académica e dar aulas. Depois veio o cancro.

 

A tese ficou refém do cancro, e neste momento poderia escrever duas teses: uma na minha área e outra em oncologia.

 

O trabalho intelectual não pára com o cancro mas abranda. Consegui produzir alguma coisa, fui avançando aos poucos, mas é óbvio que fui obrigada a remodelar o projecto todo: disponibilidade para viagem, estabelecer contactos, fazer períodos de estudo no estrangeiro = nula. Disponibilidade mental para me preocupar com questões intelectuais enquanto estava a fazer radio, quimio ou a recuperar de mais uma cirurgia = nula. Disponibilidade para libertar espaço na cabeça para ir tendo ideias para a tese (tipo daquelas que costumam surgir na casa-de-banho, ou no autocarro) = nula, porque estava mais ocupada a reflectir sobre o sentido da vida, a mortalidade, as amizades, o amor, etc., etc.

 

Ando há três anos "em modo de sobrevivência", como me disse hoje uma amiga. Hipotequei o meu futuro académico. Vou acabar a puta da tese, disso não tenho dúvidas. Mas também não tenho ilusões: não tenho um CV suficiente bom para me aceitarem num pós-doc, ou para conseguir outra bolsa, porque nesses concursos só se pode apresentar um CV. E eu tenho dois: o CV académico e o CV do cancro.

 

Há uns tempos despertei para uma realidade que desconhecia por completo em mim: a vontade de ajudar os outros, não uns quaisquer outros, mas os outros que sofrem. Aqueles que não têm ninguém, e se sentem sós; aqueles que tendo alguém, se sentem sós na mesma; aqueles que têm dores; aqueles que estão hospitalizados. Comecei a pensar em mudar de vida.

 

Quero fazer algo de menos teórico e mais prático. Quero meter a mão na massa, e acho que depois do que eu passei/tenho passado, acho que tenho estofo e compaixão para isso. Quero trabalhar na área da Saúde, e o voluntariado não me chega. Ainda não formalizei uma decisão, ainda não a assumi plenamente, mas tenho um novo sonho. Mesmo com o cancro, e a colecção de notáveis recidivas, sonho tirar Enfermagem.

 

Reacção da minha amiga J.M., enfermeira, quando há uns tempos lhe falei nesta minha ideia peregrina: "és maluca. Não sabes onde te vais meter."

 

Eu ri-me, deliciada, porque ela tem toda a razão. Não sei mesmo. Mas adoro esta minha loucura, de fazer uma coisa totalmente oposta àquilo que ando a estudar desde o 10° ano, de mudar assim de vida, aos trinta anos. Isto é liberdade.

 

 

publicado por Silvina às 17:23

Olá!
Ia dizer isso mesmo, escolheres Enfermagem. Ainda só estou no 2º Ano de Licenciatura, mas já estou em Estágio, e ouvir um "obrigado" de um utente tem sido uma das coisas mais gratificantes para mim. Enche-me o peito e a alma ouvir aquela palavra da boca de uma pessoa que precisa de ajuda naquele momento.
Amanhã é o dia Internacional do Enfermeiro e eu acredito que tal como eu, tu também vais conseguir seguir esse novo sonho, e podes querer que vai ser por muitos e muitos anos, porque ser Enfermeiro um dia, é sê-lo para sempre :)
Coragem minha querida, tu vais conseguir ultrapassar esta fase, apenas, menos fácil no teu percurso de vida.

Um Beijinho, Soraia.
S. a 11 de Maio de 2012 às 18:45

Olá Soraia, essa sensação de ter encontrado a nossa vocação deve ser fantástica! Eu tinha (tenho?) um bocado de medo das pessoas, de me dar, de ouvir profundamente outro ser humano. Mas cada vez tenho menos medos, e menos dúvidas, e acho que poderei mesmo vir a ser uma boa enfermeira.
Espero que gostes do estágio e tudo de bom para o resto do curso!
Um beijinho*
Silvina a 11 de Maio de 2012 às 19:09

Silvina, essa postura cheia de 'por que nãos?', obriga o pessoal acomodado a pensar nas suas próprias escolhas de vida. É tramado.

(além de que, sendo enfermeira, também dá para conhecer mais médicos giros, não é?)
gralha a 11 de Maio de 2012 às 18:58

gralha, tu sabe-la toda!
Silvina a 11 de Maio de 2012 às 19:01

Silvina, quem te leu há uns tempos e quem te lê! Sim, senhora, gostei!
E melhor do que ninguém, sabes a importância de um bom enfermeiro na vida de um doente!
Fazes bem! Mudar quando se sente necessidade requer coragem mas coragem é coisa que não te falta, por isso... lolol
Bom fim de semana!
Soneca a 11 de Maio de 2012 às 20:29

Certamente umas das profissões onde o teu "2º C.V." pode ser uma muito grande mais-valia.

Também eu já pensei muitas vezes em interromper o caminho que tinha há muito traçado para mim, para enveredar no trilho da Psicologia, por razões da mesma lógica. Haja coragem para estas mudanças radicais...
Susana A. a 11 de Maio de 2012 às 22:13

:))
gostei!
também me dá a sensação que serias uma excelente enfermeira! quem vivencia duras provas na vida, torna-se humilde e empático. consegue pôr-se muito mais facilmente no lugar do outro que também sofre e pela experiência que teve também poderá mais facilmente dizer as palavras que o outro necessita de ouvir e tomar as melhores atitudes.
continua a acarinhar esse sonho, acalenta-o... tenho a certeza que irias ajudar muuuiiiitaaaa gentinha!
Monóloga a 12 de Maio de 2012 às 01:59

Se já ajudas agora, imagina o que podes fazer! E a coragem já tens ;)
Ana a 12 de Maio de 2012 às 08:50

Silvina, já sabia que eras uma mulher e peras, mas agora fiquei a sabê-lo melhor. Já o eras antes do cancro - não foi ele que te fez forte, mesmo que possa ter mudado muita coisa. Não é qualquer pessoa que faz duas licenciaturas e ainda quer ir à terceira. Não é qualquer pessoa que larga tudo para ir conhecer a Àsia, depois de ter largado tudo para trabalhar como as pessoas normais (como te compreendo, invejo tanto as pessoas com horários, às vezes)! És o máximo rapariga! E hás-de ser também uma enfermeira e pêras! Um beijinho*
EU a 12 de Maio de 2012 às 19:37

Apesar de existirem muitos enfermeiros cansados e saturados da sua árdua profissão, que não é tão romântica como poderá parecer, principalmente no nosso país que os trata às três pancadas, eu continuo a achar que é das profissões mais nobres. São eles que estão contigo quando acordas de uma cirurgia, são eles que cuidam de ti, que te fazem sentir com mais, ou com menos dignidade, consoante a sua conduta. São importantíssimos. Respeito-os imenso e tens a minha benção para ires atrás desse teu sonho (sim, eu sei que a minha benção é fundamental nas tuas decisões:))
Ana C a 12 de Maio de 2012 às 22:36

Posso dizer que fiquei mesmo feliz com o que li? :) Enquanto enfermeira, é um orgulho que te juntes a mim, a nós. Tenho a certeza que serás uma excelente profissional porque... Além de toda a escola de livros tu tens, também, a outra... A escola da vida. Parabéns por esta decisão! Ser enfermeira tem dias, como tudo. Mas, acredita: quase todos são bons. Depende de nós! Qualquer coisa, estou aqui! Muito, muito orgulhosa de ti!

Um beijinho enorme, futura colega :) *
T. a 14 de Maio de 2012 às 16:26

Já toda a gente disse o que eu tinha para dizer, portanto resumo a coisa e digo apenas: que bom saber-te com esses planos, Silvina! E que bela enfermeira tu saberás ser! Que esta decisão te ajude a teres toda a força necessária para cumprires o sonho :-))))
Zu a 15 de Maio de 2012 às 00:00



mais sobre mim
pesquisar
 
Translation(s)
Últ. comentários
Desculpe mas percebeu mal: Tout va bien como uma e...
ainda bem que as coisas se resolveram e ela agora ...
Ja não. Tout va bien.
Ela ainda está em tratamento?
Faz por estes dias um ano que recebi um postal de ...
Tens-me feito tanta falta...beijinhos, muitos muit...
Radio Alertas




Partilhe a sua historia
Radio friendly Pub'


Kiva - loans that change lives

Estúdio Tatuagem Blood Oath Tattoos

Todas as palavras de Amor

Bau da Aurora artesanato

Mimos de Crochet


Creative Commons Licence