És uma grande mulher, miúda. Vais superar-te sempre.

Claro que ter um giraço ao lado, a fazer voz de bebé, ajuda :)


muitos beijinhos
Susana Neves a 8 de Setembro de 2011 às 13:17

As coisas que as gajas fazem para ter um giraço a fazer mimos!!!:) Continua assim, e com muita esperança, vai tudo correr pelo melhor! Beijinhos
margarida a 8 de Setembro de 2011 às 16:06

eheheh A sério que ter (vários) médicos giraços confere todo um outro encanto a estes meus episódios de radio! São o chamado efeito "eye candy" ;))
Silvina a 9 de Setembro de 2011 às 14:04

Parabéns pela coragem e força que te ajudaram a ultrapassar mais este desafio... e fico à espera de mais boas notícias.
Um abraço.
Eu a 10 de Setembro de 2011 às 16:12

Obrigada Eu :) Também fico à espera de poder dar boas noticias...
Um beijinho*
Silvina a 12 de Setembro de 2011 às 20:56

Silvina, vi um comentário seu no blog do Felipe Mota. Também tive câncer e tenho um blog sobre alimentação saudável e funcional. É o http://noticiasdacozinha.blogspot.com. Passe por lá, talvez se interesse. Beijos, Angela
Angela Fonseca a 11 de Setembro de 2011 às 23:45

Cara Silvina, recebi seu comentário no meu blog e publiquei meio sem pensar. Depois resolvi excluir, pelo que lhe peço desculpas. O problema é que tenho muitos seguidores portadores de ca e achei que a notícia sobre o Dr. Servan-Schreiber não estimula em nada quem luta contra a doença, mesmo levando em consideração que ele sobrevieu por 19 anos depois do diagnóstico inicial, quando lhe deram 6 semanas de vida. Espero que compreenda e volte a me visitar. Um abraço, Angela
Angela Fonseca a 12 de Setembro de 2011 às 00:52

Olá Angela, eu percebo a sua posição, mas discordo completamente. O David Servan-Schreiber escreveu um livro chamado "On peut se dire au revoir plusieurs fois", publicado em França 2 meses antes da sua morte. Nesse livro explica que tudo o que ele defendeu em "Anti-cancro" continua válido, e que a sua morte não altera em nada esse facto. Também fala da importância de se despedir, muitas vezes, de quem se ama, o que não significa baixar os braços e desistir de lutar contra a doença! Significa sim ser realista e preparar-se para essa eventualidade. Acho que é um exemplo encorajador de como se pode viver, lutando e resistindo até ao fim, e garantir que esse fim seja digno, e que estejamos rodeados de pessoas que amamos. é uma bela lição, um exemplo de força, que deve ser falado e não escondido. Mas esta é só a minha opinião. Continuarei a visitar o seu blog, que achei muito interessante! Um beijinho*
Silvina a 12 de Setembro de 2011 às 21:04